Por que jornais precisam de sites de notícias?

Importância dos sites de noticias para os jornais

Nos últimos 10 anos é nítido ver que os serviços de internet aqui no Brasil estão mais acessíveis para todos fazendo com que os brasileiros passassem a ficar mais tempo conectado.

E como consequência disso, passamos a adotar novos hábitos, a internet virou fonte de entretenimento e informação, agora é nossa primeira opção quando queremos notícias de MS em primeira mão. E com a velocidade que as informações correm pela web, O termo “tempo real” nunca esteve tão presente na nossa vida como agora.

Não precisamos mais esperar o jornal do meio-dia na TV para saber as últimas notícias de Campo Grande MS ou ter que sair de casa e ir até a banca de revista para comprar o jornal. Agora basta acessarmos um dos milhares de sites de notícias que estão disponíveis na internet.

E com o advento das redes sociais e os vídeos do youtube com melhor qualidade, nos tornamos cada vez mais presente na internet, fazendo com que nos dedicássemos menos tempo nos outros meios de comunicação.

E esse impacto fez com que a grande a maioria dos meios de comunicação se reestruturassem, passando a adotar a internet como segunda casa ou até mesmo a sua casa principal. Hoje vemos cada vez mais jornais tradicionais deixando as principais notícias de Mato Grosso do Sul e temas mais atuais para a sua versão online e se preocupando com a interatividade dos seus leitores.

Porém, o jornal impresso e a revista ainda têm a sua importância e o seu respectivo público cativo. O bom e velho ritual de ler o jornal no café da manhã e as reportagens bem trabalhadas feitas pelas revistas, são fatores positivos. Além disso, a internet está repleta de informações mal divulgadas, que não são verificadas de forma correta e mesmo assim acabam sendo publicadas, sem contar as inúmeras notícias falsas que são encontradas diariamente.

Esses fatores mostram como as notícias impressas ainda têm sua importância e credibilidade para transmitir as notícias de Campo Grande MS, sabendo conciliar os novos meios de comunicação sem se esquecer das suas raízes.





Comente: